UM ESTUDO FENOMENOLÓGICO SOBRE A CULTURA RIBEIRINHA NA AMAZÔNIA-MARAJOARA (PARÁ) / A PHENOMENOLOGICAL STUDY ON RIBEIRINHA CULTURE IN AMAZÔNIA-MARAJOARA (PARÁ)

Felipe Kevin Silva

Resumo


A comunidade ribeirinha “Joaquim Antônio”, localizada no município de Muaná, oficialmente mesorregião do Marajó, será nosso ponto de partida às reflexões neste breve ensaio. O artigo abordará o ribeirinho e sua existência (Dasein) em seu aspecto relacional com o mundo circundante (Umwelt), entre o rio e a floresta: a paisagem. A paisagem, nesse sentido, surge como a totalidade da existência do ser ribeirinho, no cambiante fluxo de sua quadratura estética e ao seu modo poético-pensante de ser-no-mundo, no qual chamaremos de geopoética. Metodologicamente, nos lançamos à pesquisa-ação e a utilização do método fenomenológico existencialista, no qual a projeção perceptiva, a relação entre subjetividade/objetividade, interioridade/exterioridade, tornam-se fundamentais à compreensão ontológica da cultura ribeirinha e sua formação conjuntural como devaneio poético da existência entre o rio e a floresta. Bachelard, Heidegger, Sartre e Merleau-Ponty e entre outros são nossos convidados a mergulhar por este mundo enigmático onde imaginação, estética, mito e a realidade fática estão intrinsicamente envolvidos na iluminação recíproca da cultura ribeirinha amazônica-marajoara.


Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, D. D. et al. Campos e florestas das bacias do Atuá e Anajás, ilha do Marajó, Pará. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, 2007.

BACHELARD, G. A poética do espaço. Tradução de Joaquim José Moura Ramos et al. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

BHABHA. H. K. O Local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998.

BUTTIMER, A. Social space in interdisciplinary perspective. Geographical review, p. 417-426, 1969.

BESSE, J-M. Geografia e existência a partir da obra de Eric Dardel. In: DARDEL, Eric. O homem e a terra: natureza da realidade geográfica. Tradução: Werther Holzer. São Paulo: Perspectiva, 2015.

CLAVAL, P. Terra dos homens: a Geografia, uma apresentação. GEOUSP: Espaço e Tempo (Online), n. 29, p. 80-86, 2011.

CISOTTO, M. F. Sobre Topofilia, de Yi-Fu Tuan. Geograficidade, v. 3, n. 2, p. 94-97, 2013.

MARTINS COSTA, V. E. S; MEDEIROS, M. O tempo vivido na perspectiva fenomenológica de Eugène Minkowski. Psicologia em Estudo, v. 14, n. 2, 2009.

DARDEL, E. O homem e a terra: natureza da realidade geográfica. São Paulo: Perspectiva, 2015.

DAL GALLO, P. M. A ontologia da Geografia à luz da obra de arte: o embate Terra-mundo em "Out of Africa". [s.n.]. Dissertação de mestrado, Departamente de Geografia, Unesp, Campinas, SP, 2015.

FOUCAULT, M. Outros espaços. Estética: Literatura e Pintura, Música e Cinema. Ditos e Escritos, vol III, 2001.

FIGUEIREDO FILHO, J. B. Paisagem, lugar e percepção: um estudo das relações do homem e os manguezais no município de Quatipuru – Pará. Departamento de Geografia, Universidade Federal do Pará, Brasil, 2015. 103 f. Dissertação de Mestrado (Mestrado em Geografia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Belém, 2015.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

GRATÃO, L. H. B; MARANDOLA JR, E. M. Sabor da, na e para Geografia. Geosul, v. 26, n. 51, p. 59-74, 2012.

GRATÃO, L. H. B. Sabor & Paisagem à Luz de Bachelard: convite para sentar-se à mesa. Geograficidade, v. 2, n. 1, p. 30-41, 2012.

HEIDEGGER, M. Construir, Habitar, Pensar. Segunda Reunião de Darmastad, Pfullingen, 1954.

___________. Ser e Tempo. 2ª Ed. Trad. Márcia de Sá Cavalcanti. Petrópolis: Vozes, 1988.

HABERMAS, J. Teoria do Agir Comunicativo. Racionalidade da Ação e a Racionalização Social & Sobre a Crítica da Razão Funcionalista. vol. 1 e 2. São Paulo: Martin Fontes, 2012.

LOUREIRO, J. de J. P. Cultura Amazônica: uma poética do imaginário. 4ª Ed. Belém: Cultural Brasil, 2015.

___________. Meditação devaneante entre o rio e a floresta. Arteriais – Revista do Programa de Pós-Gradução em Artes, v. 3, n. 3, p. 8, 2016.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

NUNES, B. Heidegger e a poesia. Natureza humana, v. 2, n. 1, p. 103-127, 2000.

___________. A Clave para o Poético. Organização e apresentação: Victor Sales Pinheiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

NIETZSCHE, F. Vontade de Potência. Tradução: Antônio Carlos Braga e Ciro Mioranza. São Paulo: Editora Escala, 2010.

RELPH, E. An inquiry into the relations between phenomenology and geography. The Canadian Geographer, v. 14, n. 3, p. 193-201, 1970.

SAINT-EXPÉRY, A. de. O pequeno príncipe. 1ª Ed. São Paulo: Escala, 2015.

SARTRE, J.-P. Esboço para uma teoria das emoções. Tradução de Paulo Neves. Porto Alegre: L&PM, 2008.

___________. O existencialismo é um humanismo. Trad. de João Batista Kreuch. 3ª Ed. Rio de Janeiro: Vozes editora, 2014.

TUAN, Y.-F. Espaço e lugar: a perspectiva experiência. Trad. Lívia de oliveira. Londrina: Eduel, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


GeoAmazônia. Todos os Direitos Reservados.
Print ISSN: 1980-7759 (impresso)
eISSN: 2358-1778
DOI da Revista GeoAmazônia: 10.17551/2358-1778/geoamazonia

Indexadores: DOAJ - Latindex - Periódicos da CAPES - Crossref -  BASE - DRJI -Open Science Directory/EBSCO - Google Acadêmico - Wordcat - Index Corpenicus - Suncat - SUDOC - COPAC - Scilit - ERIH PLUS - REDIB (antigo E-Revista) - EZB - Sumários - LivreEuropub - ZDB - GIGA - CIRC - Openaire - OAJI - Jifactor - Diadorim - MIAR - Citefactor - Journal Factor - Infobase - Biblioteke Virtual - Sindexs - Researchbib - PBN - SHERPA/ROMEO - ZB MED - La Referencia - REBIUN - World WideSciente. Org